16 de julho de 2017

O Brasil tem de converter-se num grande ator global. Artur Alonso




Os tristes dias pelos que está transitar o Brasil, dentro dos ciclos menores de expansão e 
contração, pelos que atravessa em um determinado momento, uma determinada comunidade; 
está a focar a atenção do país nas suas próprias misérias internas. A sombra negra da divisão 
irreconciliável e da polaridade  estende seu manto por toda as camadas sociais. 
Fomentando a separabilidade entre irmãos e irmãs, que deveriam em harmonia 
criar a rede de força que movimente um grande, imenso, poderoso, fortalecido e amoroso país. 
Essa sensação de confronto, fomentada desde certas elites políticas, empresariais 
e mesmo culturais (e sobre dimensionada por uma Mídia totalmente sensacionalista), 
é um sintoma claro da falta de visão global dos verdadeiros poderes brasileiros e da 
própria decadência do projeto nacional (assim como do ainda não ultrapassado 
acervo mental, do extenso neocolonialismo vivido ate épocas muito recentes). 
Acontece a América do Sul obter no século XIX uma independência política, 
mas não económica, ficando pressa de vassalagem real, primeiro a Grão  
Bretanha e depois dos EEUU (os quais consideravam o continente como seu 
pátio das traseiras, sendo o mesmo Brasil a “porta de entrada a fazenda”).

A princípios do século XXI, a América do Sul, baixo o comando firme de Brasília 
parecia abandonar definitivamente a tutela norte-americana e rumar, baixo o
guarda chuvas do BRICS, a jogar nas grandes ligas globais, onde no 
(nosso desgraçado mundo de confronto pelas hegemonias, ainda vigente na humanidade) 
se discutem os grandes temas, que afetam ao mundo. Mas, pela contra, em estes 
últimos cinco anos, as elites globais financeiras do ocidente parecem de novo ter 
iniciado a retoma do Pátio Sul Americano das traseiras. O continente aparenta rumar 
à entrega parcial ou total da sua soberania e património. Condensando em mãos 
de grupos de investimento estrangeiros suas mais valias materiais e mesmo imateriais.
O Brasil como centro continental e porta de entrada a região é vital na realização 
deste plano de imposição, aos povos sul-americanos, dum novo e forçado vassalagem, 
definitivamente atrelado ao poder financeiro privado do Ocidente globalista.
Do mesmo jeito também o Brasil converteu-se já numa peça chave para os BRICS, 
na sua tentativa de  fomentar um poder multi-global que concorra com o poder 
unilateral ocidental ou, quanto menos, procure um difícil acomodo mundial que 
evite um confronto planetário, entre estes dous poderes encontrados 
(mias homogéneo o ocidental, com mais heterogeneidade dentro dos emergentes BRICS).

O problema foi que a contrario da Rússia, o Brasil não tinha (ainda não tem) projeto de 
poder regional ou global (mais parecido com a Índia, aparenta encolhido sobre 
suas próprias fronteiras, mesmo assim a Índia é muito mais ciosa da sua 
Independência real). No caso da Rússia a famosa frase, do seu máximo mandatário, 
Vladimir Putin: “… aqueles (referindo-se ao povo russo) que não sentem saudades 
da União Soviética não têm coração, aqueles que acreditam, que nós, devêramos 
voltar aos tempos da União Soviética não têm cabeça...” resume perfeitamente 
a capacidade de integração histórica, política e social, num projeto de continuidade, 
no que respeita a projeção internacional da Rússia, além fronteiras…  
Somente dirigentes que tem a capacidade de unir seu povo 
(conciliando-o, por cima das divisões partidárias da base, no lógico acomodo - 
concorrência, entre os diversos sectores de interesses diferentes, no interior do país) 
podem assumir a chefia dum país que sonha ser grande. 
  

Parecera que o Brasil não estivesse preparado para esse reto maior e, no entanto tanto, 
a cidadania brasileira em seu conjunto tem desenvolvido um amor a seu território, 
cultura e identidade, que criam uma unidade, muito por cima das rivalidades políticas atuais.

Esse mesmo amor, desenvolvido com sabedoria permitiria ultrapassar, sem muita 
dificuldade, o marco atual de confronto; criando um novo marco inovador em 
favor da consagração do poder regional e global brasileiro, no exterior 
(para o qual é indispensável a unidade interior em torno dum projeto país – continente); 
assim como o fortalecimento do entendimento e dialogo permanente no interior

Por sua vez, o país da Amazónia, tem um grande problema de falta de 
Grupos Especialistas em fomentar Ideias e Pensamento, os famosos 
Think Thanks; o mais importante agora seria criar precisamente um 
Think Thanks que trabalhara em favor da unidade esquerda – direta em 
um projeto real, factível e realizável de Independência política – económica do país. 
Grupos ou grupo  que ponha em valor a consagração dos recursos cientifico 
– tecnológicos, patrimoniais, culturais, ecológicos, económicos… no intuito de 
assegurar estes não sejam entregues a poderes estrangeiros ao serviço de 
escuras agendas (por parte duma elite local com mentalidade pequena), 
cuja centralidade e realização dependam de tomas de decisão, que estejam, 
na prática, a milhares de quilómetros da nação.  

Senão rumar, toda a sociedade e suas elites, em este sentido de unidade 
– confraternização, os brasileiros e brasileiras acordaram algum dia vendo 
suas industrias energéticas em mãos de investidores privados internacionais, 
seu Banco Central em mãos de banqueiros globais, seu património florestal e 
cultural dependente de centros de controlo no exterior. Deixando Brasília na
pratica atada às políticas monetárias e decisões estratégicas, levadas à frente 
desde Washington ou Londres, e urdidas em salões privados, muito perto de Wall Street. 

O Brasil tem também uma responsabilidade com a humanidade como guardião 
dum basto património natural, humano e cultural, que deve ser preservado. 
A única forma passa pela emancipação de poderes alheios e a reconexão do 
imaginário coletivo num projeto fraterno e cívico (que some sectores, permita 
discrepância harmônica e vitalize a inclusão de propostas inovadoras, em cada 
mesa de diálogo, tanto no nível acadêmico como social e político).
A sua vez o país é chave, também, como ponta de lança indispensável 
para consolidação dum espaço lusófono, mais visível internacionalmente, 
desde a CPLP – hoje tristemente transformada quase que um clube de negócios 
– mas que, por própria evolução biológica, em algum momento deve voltar à 
sua essência, muito eticamente inseminda, por pensadores, da categoria de 
Agostinho da Silvar ou Aparecido de Oliveira, por citar algum exemplo.
Muitas pessoas no mundo trabalham para essa futura confraternização da 
humanidade, da qual a Lusofonia terá de ser uma coluna basilar. Pois fielmente 
são essas mentes maravilhosas que, ciclicamente, iniciam toda mudança, por meio de 
insuflar amor nas mentes da cidadania .

As pessoas que podem mudar estas inercias, serão verdadeiramente chamados 
de servidores da humanidade, esses grupos de pessoas ao serviço da paz global, 
que agora estão também a ajudar como forças de união no Brasil; tal como 
afirmava Alice A. Bailey surgem de todos os estratos sociais: … Portanto, os 
verdadeiros servidores de todas as partes pertencem a este grupo, quer 
prestem serviço no campo cultural, político, científico, religioso, filosófico, 
psicológico ou financeiro. Constituem parte, saibam ou não, do grupo 
interno de trabalhadores para a humanidade (…)


Estes grupos não demonstrarão nenhum senso de separatividade, 
nem terão ambição pessoal ou grupal; reconhecerão sua unidade 
com tudo o que existe e permanecerão diante do mundo como um 
exemplo de vida pura, criadora e construtiva, de atividade criadora 
subordinada ao propósito geral, de beleza e inclusividade”

Em uma humanidade em que ainda existem estados e fronteiras, em que ainda 
existe medo do diferente, em que ainda prevalece o teu e o meu e, pelo tanto, 
os muros de contenção…
Não pode haver ainda uma grande evolução. Podemos ter grandes avanços científicos e 
tecnológicos, mas eles, em ultimo caso, estão ao serviço dos senhores do capital e não 
da população. Pode haver grupos com grande consciência dos problemas vários e, 
das várias crises interligadas (ecológicas, económicas, sociais, energéticas, políticas) 
que deles surgem… Mesmo pode haver grupos de pessoas com uma consciência 
ética elevada, que possa vislumbrar que estas crises interligadas são em realidade os 
sintomas duma crise mais ampla, de raiz única: a crise do modelo de guerra e dominação 
que ainda comanda na humanidade.

Pode haver mesmo grupos de pensamento que já rumam a confraternização mundial: 
queda de todo tipo de barreiras e fronteiras, começando pelas mentais… No entanto, 
esse pensamento não permeia todavia ao resto das elites e menos ao grosso do povo 
comum. Assim que isto demonstra que vivemos ainda muito longe dum patamar 
evolutivo que nos permita eliminar para sempre o fantasma permanente da guerra.

Entendamos, por sua vez, que não podem ser levantados os muros, barreiras, das nações 
sem antes ultrapassar a mentalidade de confronto e medo pela sobrevivência, ainda 
permanente na humanidade. Entendamos que essa transição e abertura de consciência, 
tem seu tempos suas cadências, seus ritmos ate assentar em todo o tecido social... 
Por isso é preciso um centro novo mundial que comece a implementar esse novo pensamento.

Dai, que precisamos criar um centro geográfico novo, que dinamize estas novas 
tendências, um novo centro civilizacional, desde o qual podamos irradiar esta nova 
conceção ético-ecológica a toda a humanidade. E em este sentido o Brasil tem umas 
possibilidades e capacidades imensas, que de superar com acerto, estas provações 
momentâneas da sua história atual, sem duvida debocharam para o serviço de toda à humanidade… 

“O conhecimento leva à unidade, assim como a ignorância à separação”

(Sri. Ramakrishna)

4 de junho de 2017

Quando o espírito fecunda                                                  
Deus em nós nasce menino
e para mostrar que é homem
de nenhum ou pouco tino

depois cresce e vai pregar
por palavra ou por acção
certo de que o pensamento
é nada sem coração

e quando em glória esplende
duros o cravam na cruz
aprendendo que é na dor
que se apura sua luz.


  Agostinho da Silva, Uns Poemas de Agostinho. Ulmeiro, 1989

4 de maio de 2017

A alethopoíesis de Agostinho da Silva deixou-me ver as coisas diante das coisas, olhando-as. As coisas se admiram de um tanto de coisas. (Lúcia Helena Alves de Sá)

2 de maio de 2017

Secretária Executiva em visita oficial ao Brasil

NOTÍCIA 30/04/2017 Nota Informativa A Secretária Executiva da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), Maria do Carmo Silveira, vai concretizar uma visita oficial à República Federativa do Brasil, entre 2 e 6 de maio de 2017. Maria do Carmo Silveira vai estar em Brasília, dias 2 e 3 de maio, onde vai ser recebida em audiências pelo Ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes Ferreira, e pela Assessoria Especial da Presidência da República. Estão, ainda, previstos encontros com a Secretária Nacional dos Direitos Humanos, Flávia Piovesan, e com a Deputada Rosângela Gomes, Presidente da Rede de Mulheres Parlamentares da CPLP - Câmara dos Deputados, para além de uma reunião com responsáveis do Ministério da Justiça e do Itamaraty, designadamente, da Subsecretaria-Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior. O Secretário-geral das Relações Exteriores, embaixador Marcos Bezerra Abbott Galvão vai, igualmente, encontrar-se com a Secretária Executiva da CPLP e está, ainda, em perspetiva uma reunião com a Secretária Especial de Políticas para Mulheres (SPM), Fátima Pelaes. Maria do Carmo Silveira tem, também, agendamentos de reuniões temáticas com diversas Subsecretarias do Ministério das Relações Exteriores, nomeadamente, com a Subsecretaria-geral da África e do Oriente Médio e com a Subsecretaria-geral de Assuntos Econômicos e Financeiros. Isto, para além de reunir com a Subsecretaria-Geral de Cooperação, Cultura e Promoção Comercial para debate o âmbito da cooperação técnica, da difusão cultural e da promoção comercial, estando prevista a participação das três unidades: a Agência Brasileira de Cooperação (ABC), o Departamento Cultural e o Departamento de Promoção Comercial e Investimentos. Durante a estadia em Brasília, Maria do Carmo Silveira estima estar presente no lançamento das obras brasileiras resultantes do Programa CPLP Audiovisual - Programa de Fomento à Produção e Difusão de Conteúdos Audiovisuais da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, um evento organizado pelo Ministério da Cultura do Brasil e pela Empresa Brasileira de Comunicação. Nos dias 4 e 5 de maio, a Secretária Executiva desloca-se a Salvador, Brasil, para participar na X Reunião de Ministros da Cultura da CPLP e nos eventos paralelos – onde se destaca as comemorações do Dia 5 de Maio, Dia da Língua Portuguesa e da Cultura. Esta viagem oficial ocorre, precisamente, seis meses após ter sido eleita para SE CPLP na cimeira de Brasília. A cidadã são-tomense Maria do Carmo Silveira foi eleita Secretária Executiva, para o biénio 2017-2018, pela XI Conferência de Chefes de Estado e de Governo da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), decorrida a 31 de outubro e 1 de novembro de 2016, em Brasília, capital da República Federativa do Brasil. Recordemo-nos que, o Brasil assume a Presidência pro tempore da CPLP no biénio 2017-2018. Publicado a 30/4/2017

17 de março de 2017

Serás mais livre
na vida se vires
em seus efeitos defeitos
nas qualidades nos defeitos.

Não repita coisa alguma
do futuro é o renovo
se faz anos os desfaça
e a tudo nasça de novo.

 Agostinho da Silva, Quadras Inéditas. Ulmeiro, 1990

15 de março de 2017

Porque a areia dos tempos tudo varre e as memórias desaparecem, que fiquem as palavras. 
Embora não datadas, poder-se-á romanticamente assumir a eventualidade de terem sido 
escritas no dia de hoje. De Agostinho da Silva,

 ODE BREVE AO EINSTEIN


Só Causa das causas sabe
causa de causa sem causa
e por isso a matemática
em seu não ser se dá pausa.
                              
                                                                  Se não se conhece a máquina
nem se lhe mexe em rodinha
pois quem sabe se era dela
força que a máquina tinha.
                              
                               Portanto digo com Gandhi
                               quem decide que decida
                               e nem vou tomar morfina
                               que a dor faz parte da vida.

         Agostinho da Silva

                                  


Albert Einstein                                                            George Agostinho Baptista da Silva
(14 de Março, 1879 – 18 de Abril, 1955)                             (13 de Fevereiro, 1906 – 3 de Abril, 1994)                    

16 de fevereiro de 2017

Evocando um Mestre, por Maurícia Teles da Silva


 
 
111.º ano do nascimento de George Agostinho Baptista da Silva
 

E de súbito, em 06, Porto em lugar de Barca d’Alva, o Porto de Campanhã e Bonfim, exactamente

 na Barão de Nova Cintra (Rua ou Travessa) notada  pelo Parque que, do lado do rio, desce 

até à linha de caminho de ferro, e em prédio que decoravam, na cimalha, figuras da Fábrica das Devesas.[...]
                                                                       Agostinho da Silva, Caderno de Lembranças. Ed.Zéfiro e AAS, 2006, p.26


George Agostinho Baptista da Silva nasceu a 13 de Fevereiro de 1906, 

na freguesia do Bonfim, Porto, tendo a família residência na Travessa Barão 

de Nova Cintra. Foi baptizado a seis de Maio do mesmo ano, na Igreja do 

Senhor do Bonfim desta freguesia.

Quando alguém suplanta a dimensão do invulgar, o senso comum ora tende

para a idolatria, ou, ao invés, tenta reduzir a um plano de vulgaridade,

 como se o diferente carecesse de qualificação. O erro está sempre no 

julgamento que se faz. Se se prescindisse da lente que deturpa, teríamos 

a visão do Ser pleno, o que se torna assaz difícil, pois, enquanto humanos

vemos com os órgãos dos sentidos, mas sobretudo com os olhos da

 Consciência de onde não se pode retirar o coração / Cor

 (do lat. - sede da alma, da inteligência, da sensibilidade; espírito; bom senso).
Muitas vezes existe a propensão para considerar um Mestre como 

alguém a quem não se permite errar, imagem da perfeição, que se

 situaria para lá da dimensão humana.
“E não me chamem de mestre, sou apenas aprendiz”- dizia-nos 

Agostinho da Silva, assim, só pode ensinar quem de facto preserva 

a capacidade de aprender.
Aprender com os desacertos, os próprios e os dos outros, 

transformando-os num novo patamar de conhecimento. 

De níveis supra-humanos só os santos poderão responder, 

enquanto mensageiros do Inexaurível.
O que conheci em Agostinho da Silva foi o pleno carácter 

que atende ao seu próximo, respeitando a liberdade de cada um, 

procurando ajudar pela palavra, ou dedicando-se na medida 

em que a generosidade lhe ordenasse, franciscano o vi 

verdadeiro oferecendo o que de melhor apreendeu da vida – a Sabedoria.
E porque entendemos que no humano co-existem o mundano 

e o divino, a Vida/Obra constituiu-se para Agostinho, como 

aprendizagem que permitiu superar a voragem do mundo. 

Tal fez-se através da coragem que enfrentou provações, 

que superou obstáculos, umas vezes agrilhoado nas 

teias, de outras ultrapassando o banal, alcançando laivos de

génio, mas sempre persistindo confiante nas qualidades do 

Homem que sempre via propenso à Bondade –

“estrela de ímpar brilho” que afinal soube ser.

4 de janeiro de 2017



 
  Saudar de Novo                                                                       
por Maurícia Teles da Silva 
 

Que o abrir do novo ano nos conceda a visão em frente, para lá do horizonte, e 

os necessários momentos de reflexão sobre o antigo, em que passado e futuro 

são este tempo que vamos construindo. Deste modo, mirando o agora enquanto 

semente do devir, surgiram-me as quadras de Mestre Agostinho, compartilhemos:
 

                                                  O mais simples alicerce
                                                  traz logo a casa traçada
                                                  se eu quiser chegar a Deus
                                                  começarei por ser nada.

 

                                                  Aperfeiçoa-te ao máximo
                                                  em tempo que nada valha
                                                  pondo toda a tua pressa
                                                  no que de tempo é migalha.

 

                                                         (Agostinho da Silva, Quadras Inéditas, Ulmeiro, 1990)  

Pensando a liberdade e para fraternizar,  que não se perca o mote... 

“Livre de ordenar verso
ao servidor Agostinho”
[1]
Espírito em seu amplexo
para traçar o caminho.

Ousemos acreditar
que o vero é possível
ainda que não visível
é o mister de Criar.

                        

 [1] A. S., in Carta datada de 8/3/93, Ode breve a Mestre Sócrates 


Assim, agradecemos: ao Professor João Ferreira que nos renovou a memória do

convívio com Agostinho da Silva em Brasília; à nossa associada,  pintora 

Anabela Vieira, pelo singelo retrato de profundo e longínquo olhar criando 

aquele lugar que afinal poderá não ser utópico. Felicitamos 

Alexandra Vieira responsável pela Livraria Arquivo, em Leiria, 

e a autora Patrícia Martins que não esqueceu as crianças 

na oportunidade de lhes dar a conhecer: 

Deu-me o Nome LIBERDADE o avô Agostinho da Silva”, com adoráveis ilustrações.
Assim, prosseguimos solidários com todos aqueles que acreditam 

na possibilidade de uma Vida mais fraterna